Os cerca de 40 observadores militares da Organização para a Segurança e Cooperação na Europa (OSCE) voltaram, esta sexta-feira, a ser proibidos de entrar na península da Crimeia depois de um primeira tentativa falhada na quinta-feira.

Segundo a Reuters, pelo segundo dia consecutivo, forças militares impediram a entrada dos observadores no território e vão regressar a Kherson, Ucrânia.

«Avaliadores militares dos estados da OSCE proibidos de entrar na Crimeia sexta-feira, vão regressar a Kherson para planear os próximos passos», escreveu o corpo de observadores no Twitter.

A notícia surge no mesmo dia em que a Ucrânia afirmou serem já 30 mil as tropas russas presentes em solo da Crimeia.