O último dirigente da antiga União Soviética Mikhail Gorbachov desmentiu, esta quinta-feira, a própria morte, anunciada na conta da rede social Twitter da agência noticiosa russa Ria Novosti, na sequência de um ataque de piratas informáticos.

«Eles esperam a minha morte. Em vão. Estou vivo e bem», declarou Gorbachov, de 82 anos, ao jornal russo «Novaia Gazeta», do qual é acionista.

«Seja alguém que pretende promover os seus sites, seja a pedido de alguma autoridade», acrescentou ao diário, citado pela agência noticiosa francesa AFP.