O Ministério dos Negócios Estrangeiros do Egito manifestou, esta quarta-feira, a sua preocupação pela possível contradição entre o acordo alcançado recentemente entre europeus e turcos sobre refugiados e os tratados internacionais que os protegem.

O porta-voz ministerial, Ahmed Abu Zaid, lamentou em comunicado “o uso do sofrimento dos refugiados sírios e de outras nacionalidades para conseguir proveitos políticos de uma forma que contradiz os princípios do direito internacional”.

Recordou também que o Egito exerce uma política de “portas abertas” aos refugiados, desde logo sírios, e proporciona-lhes “o mesmo tratamento que aos seus cidadãos nos setores da saúde, educação e habitação”.

O Egito junta-se às organizações mundiais, como a Unicef, os Médicos sem Fronteiras e a Amnistia Internacional,  que têm levantado críticas ao acordo firmado entre a União Europeia e Turquia que prevê a extradição dos migrantes que cheguem à Grécia de forma ilegal para a Turquia.