A Polícia Marítima vai prolongar até setembro de 2016 a missão no Mar Egeu, que tem como objetivo cooperar no controlo e vigilância das fronteiras marítimas gregas e no combate ao crime transfronteiriço, anunciou hoje a Autoridade Marítima Nacional (AMN).

Uma equipa da Polícia Marítima (PM), composta por sete elementos, está desde 01 de outubro na Grécia no âmbito de uma operação da Agência Europeia da Gestão da Cooperação Operacional nas Fronteiras Externas dos Estados-Membros da União Europeia (Frontex), denominada “Poseidon Sea 2015”.

Fonte oficial da AMN disse à agência Lusa que a missão da PM que terminava a 31 de dezembro foi prolongada por mais nove meses na sequência de um convite da Frontex, recebido através do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras.

A mesma fonte adiantou também que a equipa da PM vai ter a sua capacidade operacional reforçada com mais uma embarcação, que deverá chegar à Grécia no início de dezembro para ser utilizada em caso de manutenção ou avaria do barco que atualmente se encontra na missão e em caso de necessidade.

Segundo a AMN, trata-se da embarcação “Arade”, que já foi utilizada na mesma missão em abril deste ano e tem as mesmas capacidades que a embarcação “Tejo”, atualmente a ser utilizada na Ilha de Lesbos, como relata a Lusa.

Em comunicado, a AMN refere que a missão de busca e salvamento da PM socorreu, no último domingo, um homem de cerca de 35 anos, de nacionalidade paquistanesa, que sofreu uma paragem cardiorrespiratória.

Depois de ser resgatado do bote onde seguia para a embarcação portuguesa, a equipa da PM aplicou manobras de suporte básico de vida à vítima e ministrou-lhe oxigenoterapia, salvando-o da morte, adianta a AMN, sublinhando que o paquistanês foi levado de imediato para o porto mais próximo do local para que recebesse apoio médico.

De acordo com a AMN, a equipa da PM resgatou, deste bote, um total de 65 pessoas, dos quais quatro eram crianças.

Desde o início da missão na Grécia, a equipa da PM já resgatou 1263, sendo 256 crianças e 275 mulheres.