Sete migrantes magrebinos mortos e outro em estado crítico foram encontrados numa embarcação que deu à costa esta segunda-feira numa praia da ilha de Lanzarote, no arquipélago espanhol das Canárias. A notícia é avançada pela agência espanhola EFE, que cita um porta-voz da Guardia Civil.

A lancha pneumática de grandes dimensões foi avistada na praia de Bastián em Teguise, província de Las Palmas, pelas 11:57 (10:57 em Lisboa) por um socorrista, que de imediato acionou os serviços de emergência. Na embarcação viajavam também menores.

Dentro da embarcação, as equipas de socorro encontraram cinco homens mortos e um sexto corpo foi retirado da água.

Outros dois homens, que estavam a afogar-se, foram resgatados do mar com vida, mas um deles morreu durante as manobras de reanimação. O outro foi ressuscitado de uma paragem cardiorrespiratória e transportado em estado crítico para o hospital de Arrecife.

Todas as vítimas apresentavam sinais de afogamento ou de hipotermia.

De acordo com as equipas de emergência que se deslocaram ao local, o barco transportava um total de 27 homens, todos magrebinos, alguns aparentando ser menores de idade. Um porta-voz da Cruz Vermelha indicou à agência espanhola Europa Press que os restantes teriam entre 20 e 40 anos.

Alguns dos ocupantes da lancha saltaram para a água e terão fugido antes da chegada das autoridades. O mesmo porta-voz da Cruz Vermelha informa que 20 chegaram a terra com vida, tendo três deles sido transportados ao hospital, um dos quais em estado crítico com hipotermia “severa”. Os outros 17 foram transferidos para o quartel da Guardia Civil em Costa Teguise, onde foram assistidos pela Cruz Vermelha.

Conforme relata um tradutor da Cruz Vermelha, os 27 homens encontravam-se há dois dias no mar, depois de terem embarcado na lancha pneumática em Tarfaya, cidade no sul de Marrocos, apenas a 130 quilómetros da costa de Lanzarote.