Um passageiro gritou expressões comummente associadas a ataques terroristas e causou o pânico a bordo de um avião que ligava o aeroporto de Gatwick, em Londres, a Veneza, Itália.

O caso aconteceu a 23 de agosto no voo da companhia “low cost” EasyJet. Uma das pessoas que seguia no avião gravou parte do momento em que se ouve uma voz a gritar “Allahu Akbar” (Deus é grande) 29 vezes, “a morte está próxima” outras 17 e “vamos morrer” nove vezes.

Nesse momento, as crianças começaram a chorar e os adultos não conseguiram disfarçar o medo sobre a incerteza do que podia acontecer.

Mais tarde, a tripulação e o piloto do avião verificaram que o homem seguia algemado e estava acompanhado por um funcionário do Ministério do Interior britânico. O sujeito era um imigrante ilegal e estava a ser deportado para Veneza.

A identidade do homem não foi revelada, mas o jornal Daily Mail refere que o comportamento errante e ofensivo se manteve durante todo o trajeto.

Segundo a mesma fonte, a tripulação pediu aos passageiros para apagarem fotografias ou registos áudio daquela ocorrência, sem explicarem o motivo do pedido.

Foi muito assustador. Senti-me ameaçada e não conseguir parar de chorar. No pior cenário, pensei que não íamos sair daquele avião vivos. Ninguém nos explicou nada”, disse Lucy O’Sullivan que estava a viajar em lua-de-mel.

A companhia aérea EasyJet pediu desculpas aos passageiros pelo transtorno causado, mas referiu que o comportamento do homem não comprometeu a segurança do voo.