O ex-Presidente do Brasil, Luiz Inácio Lula da Silva, admitiu na sexta-feira, num grande protesto em São Paulo contra o Governo interino, concorrer à Presidência da República em 2018.

Quanto mais eles me provocarem mais eu corro risco de ser candidato em 2018", afirmou.

Falando diante de milhares de manifestantes que foram demonstrar que estão contra o governo interino de Michel Temer, Lula da Silva afirmou que está a ser atacado por muitas pessoas que alegadamente estão a tentar incriminá-lo sem provas nos esquemas de corrupção investigados no país e que, em resposta, poderá candidatar-se novamente a Presidente.

Milhares de pessoas pediram, na sexta-feira, em São Paulo, a saída do Presidente interino do Brasil: gritaram "Fora, Temer" e demostraram apoio à Presidente afastada, Dilma Rousseff, apesar de considerarem que seu regresso ao cargo será muito difícil.

Protestos contra Temer em dezenas de cidades

São Paulo foi apenas um dos palcos das manifestações. Em pelo menos 24 estados do Brasil e no Distrito Federal, onde fica a capital do país, Brasília, houve protestos na sexta-feira contra o Presidente interino, Michel Temer, segundo a imprensa brasileira.

Houve registos de protestos em Alagoas, Amapá, Amazonas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Rondônia, Roraima, Santa Catarina, São Paulo, Sergipe, Tocantins, além do Distrito Federal.

Movimentos sociais e sindicatos convocaram os protestos desta sexta-feira contra o Governo em exercício, que tomou posse interinamente a 12 de maio, na sequência da aprovação do pedido de destituição de Dilma Rousseff, e também para apresentarem algumas reivindicações.