O vice-presidente da República do Brasil, Michel Temer, reagiu ao discurso de vitimização de Dilma Rousseff com trabalho. Esta terça-feira, reuniu-se, em São Paulo com alguns conselheiros para definir a estratégia de resposta à ofensiva governista. No encontro, de acordo com o jornal Folha de São Paulo, estiveram o ex-ministro Moreira Franco e o antigo porta-voz da Secretaria de Comunicação Social.

Temer, avança o Folha, não deverá deixar de dar resposta a Dilma, mas Thomas Traumann, o antigo porta-voz da secretaria de Estado da Comunicação Social, deverá ajudar Temer a “calibrar o discurso”, baseando-se na proximidade que teve com Dilma até há bem pouco tempo.

O Estado de São Paulo avança também que Temer já trabalha na estratégia a seguir num eventual novo Governo. O vice de Dilma terá já definido três eixos fundamentais para o caso de ter de avançar para o Planalto: economia, infraestruturas e área social. Temer pretende apostar na criação de três super-ministérios para retomar o crescimento económico e restabelecer a estabilidade política.

Só depois destas definições, Michel Temer deverá avançar para a formação do restante Governo se Dilma for efetivamente afastada no Senado. Os ex-ministros Eliseu Padilha e Moreira Franco (PMDB – partido de Temer) são apontados para duas destas super-pastas. José Serra (PSDB), que concorreu contra Dilma nas eleições de 2014, é apontado para o ministério das infraestruturas. Serra pode contudo assumir também a pasta das finanças ou ainda a da saúde.

A área social é um eixo fundamental na estratégia de Temer, acusado pelo PT e pelo próprio Governo de Dilma de querer acabar com ícones do trabalho social do PT como o Bolsa Família ou o Minha Casa,  Minha Vida.

De acordo com o Estadão, Temer quer sim reformular o setor, mas não propriamente acabar com as medidas e sim englobá-las debaixo de uma só tutela.

Não sendo um dos pilares estratégicos definidos por Michel Temer, o ainda vice de Dilma quer apostar também na Justiça, para tentar credibilizar o setor. Além disso, o Ministério da Justiça tem sob sua alçada a Polícia Federal, que investiga atualmente a Operação Lava Jato.

Estas especulações sobre um eventual Governo de Temer surge no dia em que o Senado vai ler a votação da Câmara dos Deputados ao processo de impeachment de Dilma Rousseff. A mesa diretora do Senado lê o resultado da votação do processo e determina a criação da comissão especial na Casa. O presidente do Senado, Renan Calheiros, deverá também reunir-se com líderes partidários para definir os prazos e o ritmo de trabalho, bem como a composição da comissão que terá 21 membros titulares e 21 suplentes.