A polícia de Nova Iorque anunciou a detenção de um homem, de 27 anos, que tinha atada ao corpo uma bomba artesanal, a qual pretenderia  deflagrar no Port Authority Bus Terminal, considerado o maior terminal rodoviário do mundo onde operam autocarros e comboios.

O engenho terá rebentado mas não da forma como o indivíduo pretendia. O suspeito ficou ferido e foi detido. Três outras pessoas terão sofrido ferimentos, mas segundo a polícia de Nova Iorque, ninguém corre risco de vida.

O comissário da polícia de Nova Iorque, James O'Neil, revelou que os agentes foram alertados às 7:20 locais - 12:20 em Lisboa - para o local, onde encontraram um home de 27 anos, identificado como Akayed Ullah, com queimaduras e ferimentos ao longo do corpo, sobretudo no abdómen e nas mãos.

As primeiras investigações apuraram que o homem tinha atado ao corpo um engenho explosivo artesanal que terá acionado intencionalmente, mas cuja explosão não terá causado os estragos pretendidos.

Segundo as autoridades, o homem vive em Brooklyn e pode ter ascendência do Bangladesh. O autor disse que se tinha inspirado no Estado Islâmico, mas aparentemente não teve qualquer contacto com o grupo radical.

Toda a área em volta da estação foi encerrada e acorreram para o local várias viaturas da polícia e dos bombeiros. O incidente causou constrangimentos na circulação do metro e dos autocarros e o trânsito rodoviário foi interdito.

Ação terrorista

O presidente da câmara de Nova Iorque considerou, entretanto, que o incidente causado pelo homem de 27 anos se tratou de uma tentativa de atentado terrorista.

Graças a Deus que o autor não atingiu os seus objetivos”, declarou o ‘mayor’ de Nova Iorque, falando aos jornalistas no local.

Bill de Blasio disse ainda à comunicação social que tudo indica ter-se tratado de um ato isolado, tendo o suspeito agido por conta própria, sem aparentes ligações a qualquer grupo organizado.

De acordo com a Casa Branca, o presidente dos EUA, Donald Trump, já foi informado da explosão.