A ONU decidiu enviar uma equipa para o Iraque para investigar os alegados crimes cometidos pelos combatentes do Estado Islâmico (ISIS) no Iraque.



«Estamos perante de um monstro terrorista», disse o ministro iraquiano para os direitos humanos, Mohammed Shia' Al Sudani, numa reunião das Nações Unidas em Genebra.



Segundo a Reuters, a ONU vai enviar 11 investigadores para o Iraque. A operação tem um custo total de 1,18 milhões de dólares (cerca de 900 mil euros) e deverá apresentar as primeiras conclusões em março de 2015.



Segundo os números avançados pela ONU, os militantes sunitas já expulsaram mais de 1,2 milhões de pessoas das suas casas e pelo menos 1420 foram assassinadas no Iraque, durante o mês de agosto.



A alta comissária para os direitos humanos da ONU, Flavia Pansieri, disse que existem «fortes indícios» dos crimes perpetuados pelo ISIS e os seus grupos aliados no Iraque como assassinatos, tortura e abusos sexuais.

«Os relatos que temos recebido dão conta de atos de total desumanidade numa escala inimaginável», disse.

Merkel vai enviar armas para combatentes curdos no Iraque

A chanceler alemã disse, esta segunda-feira, que o envio de armas para ajudar os curdos é crucial para travar o cenário de «atrocidades inconcebíveis» contra civis.

Citada pela AFP, Merkel disse que esta é «a oportunidade de salvar vidas e travar a propagação do assassínio em massa no Iraque».

A chanceler sublinhou que cerca de 400 alemães viajaram para o Iraque e para a Síria para combater ao lado dos jihadistas.

O equipamento alemão, que deverá ser entregue em três fases, inclui 30 sistemas de mísseis antitanque, 16 mil armas de assalto, oito mil pistolas e lançadores de rockets (mísseis) antitanque portáteis. Para além do armamento, a Alemanha pondera também enviar tendas, capacetes e material rádio.

A primeira entrega de material deverá chegar até ao final de setembro e irá equipar cerca de quatro mil soldados.

Este equipamento faz parte da reserva militar alemã e está avaliado em 70 milhões de euros. Serão ainda enviados 50 milhões de euros para ajuda humanitária. A Alemanha junta-se a países como Estados Unidos, Itália, França e Inglaterra que já tinham demonstrado vontade em enviar armamento e material para os curdos no Iraque.