Milhares de crianças foram detidas e algumas torturadas no âmbito de operações contra grupos extremistas como o Boko Haram na Nigéria ou o Estado Islâmico (EI) no Iraque e na Síria, segundo a organização não-governamental Human Rights Watch.

A organização de defesa dos direitos humanos sublinha, num relatório divulgado nesta quinta-feira, que houve um aumento das detenções de crianças em seis países envolvidos em conflitos: Afeganistão, República Democrática do Congo, Iraque, Israel e territórios palestinianos, Nigéria e Síria.

É uma tendência muito preocupante num momento em que os governos procuram responder a conflitos armados e a grupos extremistas armados como o EI e o Boko Haram", sublinha a ONG.

De acordo com a organização, na Síria, em cinco anos e meio de guerra, pelo menos 1.433 crianças foram detidas, das quais apenas 436 foram libertadas. 

Já no Iraque, pelo menos 314 crianças, entre as quais 58 raparigas, foram condenadas sob acusações de terrorismo, diz a organização, que sublinha que é frequente a detenção e tortura de mulheres e crianças por causa de atos terroristas cometidos pelos homens da família.

As crianças detidas no Afeganistão são torturadas com mais frequência do que os adultos, uma vez que as autoridades acreditam que os menores podem revelar informações mais facilmente.