Mais de 700 migrantes de diversas nacionalidades, resgatados no Mediterrâneo, foram levados para o porto de Crotone, em Itália. Recolhidos por um navio do Luxemburgo, os migrantes eram aguardados pelas equipas de emergência com água e comida.

Vários migrantes tiveram de ser hospitalizados por causa de fraturas ósseas e desidratação. Os restantes foram levados em autocarros e vão ser distribuídos por centros de acolhimento no país. 

Só este ano, já chegaram à Itália e à Grécia mais de 100 mil pessoas através do Mediterrâneo.

Papa apela ao ocidente para não tratar migrantes como mercadorias


O papa Francisco apelou hoje ao ocidente para não tratar os migrantes como “mercadorias” e denunciou as organizações mafiosas assim como a corrupção quase “normais” em Itália, durante a sua primeira visita a Turim, adiantou a agência AFP.

“O espetáculo dos últimos dias desses seres humanos tratados como mercadorias faz chorar”, declarou o papa, que se dirigia a representantes laborais, na Piazzetta Reale, em Turim.


Num momento em que a União Europeia se divide sobre o acolhimento aos migrantes, o papa Francisco condenou mais uma vez as manifestações de rejeição destas pessoas, particularmente percetíveis no norte industrializado de Itália.

“Se a imigração aumenta a concorrência, os migrantes não podem ser tidos como responsáveis, uma vez que são vítimas de injustiça, de uma economia de rejeição e de guerras”, disse o papa.


O sumo pontífice está em Turim para assinalar a ostensão (exposição pública) do Santo-Sudário na catedral de São João Baptista, que termina a 24 de junho.