Um homem que exercia a profissão de médico sem licença no Camboja foi acusado de homicídio por alegadamente ter infetado mais de 100 pessoas com HIV, informou esta terça-feira a imprensa local.

Yem Chhrin, de 53 anos, está há uma semana sob custódia policial e vai ser julgado por homicídio depois de ter infetado pessoas com o vírus, ao praticar medicina sem os requeridos certificados, anunciou na segunda-feira o Tribunal de Justiça da província de Battambang.

Pelo menos 105 pessoas, incluindo 19 crianças, residentes da comunidade de Roka, na província de Battambang, no noroeste do Camboja, testaram positivo ao vírus de imunodeficiência humana (HIV) numa inspeção médica.