As famílias de quatro idosos franceses que tomavam o anticoagulante de nova geração Pradaxa e morreram no início do ano decidiram apresentar queixa contra o laboratório alemão Boehringer Ingelheim que o comercializa, disse o advogado à agência AFP.

As queixas visam também a Agência Nacional de Segurança do Medicamento e dos Produtos de Saúde (ANSM) francesa por alegadamente violar os princípios de precaução e prevenção, disse o advogado Philippe Courtois à AFP antes de uma conferência de imprensa em Paris com os familiares dos pacientes que morreram.

Os idosos franceses que morreram no primeiro trimestre do ano tinham idades entre os 78 e os 84 anos, eram originários das regiões de Lille, Estrasburgo, Paris e Grenoble e tomavam todos o Pradaxa, acrescentou.