A farmacêutica Reckitt Benckiser, fabricante do analgésico Nurofen, foi acusada na Nova Zelândia de enganar os consumidores com uma “gama específica de calmantes” que alegadamente aliviavam determinadas dores, informaram esta segunda-feira fontes oficiais.

A Comissão de Comércio neozelandesa indicou ter apresentado dez acusações contra a filial da empresa no país, oito das quais relacionadas com a embalagem e promoção de quatro tipos de calmantes que “davam a impressão generalizada de que se destinavam a aliviar uma dor específica”.

Os produtos Nurofen em causa eram comercializados separadamente como analgésicos para as enxaquecas, dores de costas, de menstruação e de cabeça provocadas pelo stress.

A Comissão considerou que a publicidade, bem como as embalagens do produto, criavam expectativas falsas nos clientes, já que as diferentes versões continham os mesmos ingredientes e tinham eficácia equivalente.

Tanto o website como as caixas destes produtos deixam a impressão geral de que os produtos tinham como alvo tipos de dores diferentes. A Comissão alega que esta informação é enganadora porque os produtos contêm os mesmos ingredientes e têm eficácia equivalente no tratamento das dores anunciadas", anunciou a Comissão de Comércio, segundo a AFP.