O Movimento para a Democracia (MpD), liderado por Ulisses Correia e Silva, venceu, este domingo, com maioria absoluta, as eleições legislativas em Cabo Verde, conquistando 53,7 por cento dos votos, segundo os resultados oficiais provisórios.

De acordo com os dados do site oficial “Eleições legislativas 2016”, quando estavam contados 91,8 dos votos, o MpD conquistou a maioria dos lugares dos 72 lugares de deputados.

O MpD do antigo autarca da Praia venceu, com maioria absoluta, as sextas eleições multipartidárias no país, pondo fim a um ciclo de 15 anos de governação do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV).

O Partido Africano da Independência de Cabo Verde, até agora no poder, obteve 81.319 votos (37 por cento), segundo a Lusa.

O presidente da República de Cabo Verde, Jorge Carlos Fonseca, felicitou os vencedores das eleições legislativas de domingo, ganhas pela oposição com maioria absoluta, considerando que a democracia triunfou.

Venceu a democracia cabo-verdiana. Parabéns aos vencedores! Honra aos vencidos! A democracia continuou a funcionar e triunfou", escreveu Jorge Carlos Fonseca na sua página pessoal na rede social Facebook.

 

- Venceu a democracia cabo-verdiana. Parabéns aos vencedores! Honra aos vencidos!A democracia continuou a funcionar e...

Publicado por Jorge Carlos Almeida Fonseca em  Domingo, 20 de Março de 2016

 

Oposição reconheceu a derrota

A líder do PAICV, Janira Hopffer Almada, reconheceu a derrota nas eleições legislativas em Cabo Verde e felicitou o até agora principal partido da oposição (MpD) pela vitória, prometendo agora preparar o partido para as eleições autárquicas.

Em declarações à imprensa numa altura em que estavam contados mais de 90% das mesas votos, Janira Hopffer Almada, agradeceu os candidatos, militantes e amigos do Partido Africano para a Independência de Cabo Verde (PAICV) e disse que "respeita o veredicto do povo".

 O líder da UCID, terceiro partido mais votado nas legislativas de domingo em Cabo Verde, António Monteiro, disse que "o medo" de o PAICV conseguir um quarto mandato gerou "a lógica do voto útil", dando maioria absoluta ao MpD.

A UCID não evitou a maioria absoluta e romper com a bipolarização em Cabo Verde. É nosso entendimento que funcionou a lógica do voto útil. Os eleitores, com medo de terem o PAICV mais uma vez no poder, resolveram, de uma maneira forte, votar no MpD, 'prejudicando' a UCID", reagiu António Monteiro, no domingo à noite, na sede do partido na ilha de São Vicente.

A União Cabo-verdiana Independente e Democrática (UCID) elegeu três deputados ao parlamento, mais um do que em 2011, todos pelo círculo eleitoral de São Vicente, onde o partido tem sua base.