Foi coroada rainha de beleza na edição deste ano do concurso «Miss Asia Pacific World» (Miss Mundo Ásia e Pacífico), mas perdeu o título e terá fugido com a tiara, avaliada em mais de 75 mil euros, segundo o porta-voz do evento.

A organização acusou-a de ter sido desonesta. May Myat Noe veio agora contar a sua versão dos acontecimentos, negando as acusações e adiantando que só irá entregar a coroa quando receber um pedido de desculpas formal da organização.

O início desta história remonta ao mês de maio, quando Myat Noe, de 18 anos, natural de Myanmar, venceu o concurso «Miss Asia Pacific World», que decorreu em Seul, na Coreia do Sul.

Depois de ter sido considerada a mais bela, desentendimentos entre a jovem e os responsáveis pelo evento levaram a que a organização lhe retirasse o título, esta semana. O concurso alegou que a Myat Noe tinha sido «mentirosa» e «desonesta».

Na origem dos acontecimentos terá estado uma cirurgia estética, paga pelo evento e pelos patrocinadores.

«Pensámos que ela devia ser mais bonita, por isso, pagámos-lhe uma operação de aumento dos seios», declarou o porta-voz do evento David Kim.

Os problemas terão começado aqui.

Myat Noe terá levado a mãe para o hospital enquanto estava internada, mas aquela que deveria ter sido uma visita de 10 dias acabou por prolongar-se por três meses. Os custos da estadia da progenitora tornaram-se elevados para organização e patrocinadores, segundo o «The Guardian».

Já sem o título, os coreanos acusaram a jovem de ter fugido para o país de origem com a tiara valiosa.



Em comunicado, o evento declarou que a ex-miss «mentiu e não teve respeito pela organização, pela comunicação social ou pelos fãs que a tornaram vencedora».

Porém, a versão de May Myat Noe é muito diferente. A jovem negou ter aceite os implantes mamários e declarou que viajou para Myanmar antes de saber que o título lhe tinha sido destituído.

Mais, Myat Noe afirma que não fez nada de mal e que, por isso, só vai entregar a jóia quando receber um pedido de desculpas formal da organização, que a chamou de «mentirosa» e de «ladra».

«Não vou entregar a tiara, só se me pedirem desculpa. Não só a mim, mas também ao meu país, por terem denegrido a sua imagem», justificou, esta terça-feira, em conferência de imprensa.

A jovem destacou, no entanto, que já não quer a coroa devido ao simbolismo negativo que lhe confere: «Não quero uma tiara de uma organização com tão má reputação».