Há 29 anos quis fugir para a Polinésia, cansado que estava da vida urbana, mas acabou por não sair do Mediterrâneo. Em Budelli, na Sardenha, encontrou o que mais queria sem ter de sair do seu país: a natureza na sua plenitude, uma ilha só para si e para alguns turistas que não resistem a ancorar os barcos ali, em busca da famosa Spiaggia Rosa, a praia rosa.

Mauro Morandi, 79 anos, é o único habitante de Budelli, que já teve vários donos, mas que nos últimos anos foi reclamada pelo Estado italiano. Vigia o paraíso mas não impede ninguém de conhecê-lo. E desde que o wi-fi chegou à ilha, chegaram também as redes sociais e o modo de comunicação deste antigo professor de Educação Física com o resto do mundo, com Morandi a partilhar imagens da sua ilha, mesmo sabendo que cada vez que o faz deixa ser tão sua. 

Fotografa sobretudo a praia, que vislumbra desde a sua cabana, desde o amanhecer ao anoitecer, faça chuva ou faça sol.

Budelli era de tal forma o seu destino que quando em 1989 chegou à ilha o guarda em funções estava na iminência de reformar-se. Não hesitou em agarrar o lugar no paraíso, onde pretende ficar até que o Estado italiano decida outro fado para a ilha.

Por enquanto, guarda o ecossistema e aproveita a curiosidade dos turistas, sobretudo no verão, para defendê-lo, como quando lhes explica que a praia rosa está inacessível por causa da erosão. As crianças são a sua prioridade, numa tentativa de incutir desde logo a proteção pelo meio ambiente.

E não faltam partilhas nas redes sociais sobre o seu dia a dia.