Os pais de Matthew Green, o britânico encontrado em Espanha após ter estado seis anos desaparecido, choraram esta quarta-feira de manhã ao contarem num programa de televisão que o filho está internado numa unidade psiquiátrica e que, ao contrário do que lhes tinha sido dito pela polícia, vão poder entrar em contacto com ele. Jim e Pauline Green revelaram que um membro do corpo clínico daquela unidade soube do apelo do casal no Facebook e entrou em contacto na terça-feira à noite.

Matthew Green saiu de casa em Sittingbourne, Kent, no Reino Unido, em 2010, dizendo que ia visitar amigos a Londres durante o fim-de-semana, e nunca mais foi visto pela família.

Na terça-feira, soube-se que os pais, Jim e Pauline Green, estavam numa espécie de “limbo" ao saberem que o filho foi encontrado em Espanha, mas as autoridades recusaram-se a revelar onde ele estava “por causa das regras de proteção de dados”.

Esta quarta-feira ficou a saber-se que um membro de uma equipa numa unidade psiquiátrica em Espanha contactou o casal e o convidou a visitar Matthew, agora com 32 anos.

Pauline Green, mãe de Matthew Green, contou a história, esta quarta-feira de manhã, no programa This Morning da estação britânica ITV.

Pauline Green revelou que Matthew, que tinha sofrido de dependência de álcool e de drogas antes de ter desaparecido, está a recusar ajuda e medicamentos, mas os médicos espanhóis esperam que os pais o passam ajudar com o tratamento.

Os clínicos pediram ao casal que, quando forem a Espanha, levem com eles os registos médicos de Matthew para os auxiliarem na tentativa de o ajudar a recuperar.

Pauline Green disse também que tem pensado que o filho pode não querer reatar o contacto com a família depois de tanto tempo afastado.

“Tenho pensado sobre isso, mas também tenho pensado que pode haver uma vontade, por muito ténue que seja, de ele nos querer de volta na vida dele”, afirmou.

"Acho que temos que nos agarrar a tudo o que pudermos, com a esperança de que ele possa ficar melhor e então poderemos seguir a partir daí”, acrescentou.

Descrevendo como é que finalmente descobriu onde o filho está, Pauline Green afirmou: “Uma pessoa enviou-me um SMS ontem [terça-feira] à noite e era um número de Espanha. Ele ou ela disse que queria entrar em contacto comigo”.

“Disseram-me ‘estou a tentar enviar-lhe um email, mas sem sucesso’. Enviei-lhe o meu endereço de email mas, como não houve resposta, fui deitar-me”, continuou Pauline Green.

“Logo depois das 05:00 da manhã, fui ver se a pessoa já tinha entrado em contacto comigo e foi quando vi o email”, acrescentou.

Aparecendo ao lado do criminologista Mark Williams Thomas, que ajudou o casal a investigar o desaparecimento do filho, Jim e Pauline Green disseram que agora pretendem voar para Espanha para ver Matthew.

Os pais souberam que Matthew Green ainda estava vivo quando a polícia lhes bateu à porta, no dia 3 de maio, para lhes dar a notícia.

Matthew Green chamou a atenção das autoridades espanholas ao “agir de forma estranha" e foi colocado ao cuidado dos serviços sociais para avaliação.

“Não saber nada durante seis anos tem sido uma montanha-russa. As emoções aceleram quando se recebe uma informação como esta”, disse Jim Green, no programa da ITV.

“Isso só mostra o poder dos meios de comunicação social e das redes sociais”, rematou.