O condutor que ofereceu uma boleia mortal, num Ferrari, a um jovem de 13 anos foi considerado culpado pelo acidente, esta quinta-feira, segundo noticia a Press Association.

O tribunal foi informado que o carro foi "acelerado de forma incontrolada" pela estrada de campo em North Warnborough, Hampshire, na Inglaterra, o que fez com que o Ferrari capotasse e os ocupantes fossem projetados. 

Matthew Cobden, de 39 anos, negou que o acidente tenha sido causado por erro humano, mas sim por um defeito mecânico do carro do qual não era proprietário. 

"Estava no carro do meu cliente e a última coisa que eu queria era danificá-lo", afirmou Cobden, acrescentando que não estava a usar cinto de segurança e que não pediu a Alexander o usasse.

Entre lágrimas, o condutor explicou ainda que não passou dos 16 km/h, ao contrário do que a defesa afirma: o carro circulava a cerca de 64 km/h.

"[O acidente] É algo em que penso constantemente. Se o tivesse feito, as coisas tinham acontecido de forma diferente. Não fiz nada estúpido, estava apenas a tentar fazer o meu trabalho. A única coisa que me lembro é de estar fora do carro." 

Os júris do tribunal de Winchester acabaram por condenar Coben num veredicto maioritário, no qual apenas dois membros do júri não concordaram. 

O procurador responsável pelo caso, Thomas Wilkins, alega que o carro estava em perfeitas condições e que o acidente foi causado por um erro do condutor. A sentença ficou marcada para 26 de março.