O primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, indicou hoje não estar de acordo com a aplicação de sanções europeias a Portugal e Espanha devido ao seu incumprimento da redução do défice.

Seria um erro pensar em sanções para estes dois países que fizeram tantos sacrifícios”, disse Renzi numa reunião da direção nacional do Partido Democrata (PD, no governo).

“Itália tem de fazer ouvir a sua voz para que (a prioridade) seja o crescimento e não a austeridade”, declarou.

O chefe do governo italiano defendeu uma aplicação flexível das normas europeias em vez da aplicação de sanções por incumprimento dos objetivos do défice, adiantando que o seu país obteve “flexibilidade”.

A intervenção de Renzi ocorreu na véspera da reunião semanal do colégio de comissários europeus, onde poderão ser discutidas as eventuais sanções a Portugal e Espanha.