O primeiro-ministro de Itália, Matteo Renzi, afirma que a presidência italiana da União Europeia «não se limitará às questões económicas» e que o grande desafio será «recuperar a alma europeia».

Renzi esteve esta quarta-feira no Parlamento Europeu, em Estrasburgo, a apresentar as prioridades da presidência italiana, que arrancou na terça-feira e se estenderá até ao final do ano.

«Se hoje a Europa fizesse uma "selfie" [autoretrato], qual seria a imagem que resultaria? A Europa de hoje mostraria o rosto do aborrecimento», disse Matteo Renzi no hemiciclo europeu, num discurso em que considerou que perante a palavra Europa não vem à memória Arquimedes, Da Vinci ou Aristóteles, mas «dificuldade económicas e financeiras».