O primeiro-ministro italiano, Matteo Renzi, defendeu esta quarta-feira que, qualquer que seja o resultado do referendo de domingo, a Grécia não sairá da zona euro, mas fará tudo o que puder para negociar.

“Na minha opinião, a Grécia não sairá do euro, fará tudo para chegar a um acordo”, declarou Renzi em entrevista à televisão pública italiana Rai 1.


Segundo o chefe do executivo italiano, mesmo se a Grécia abandonasse a moeda única, isso não traria problemas económicos a Itália.

Já o primeiro-ministro francês, Manuel Valls, negou esta quinta-feira qualquer “distanciamento” entre a França e a Alemanha sobre a Grécia, depois de Berlim ter excluído negociar com Atenas antes do referendo de domingo.

“Li comentários sobre um afastamento entre a França e a Alemanha, um distanciamento [e] desminto formalmente essa análise. Nunca a relação franco-alemã esteve tão forte e tão útil à Europa”, declarou Valls.


“Com a Alemanha, concertamo-nos em permanência sobre esta matéria como sobre todas as outras”, insistiu, sublinhando que o Presidente francês, François Hollande, e a chanceler alemã, Angela Merkel, “conversaram nos últimos dias e ainda hoje de manhã falaram novamente”.