Mais de 250 pessoas, entre as quais 62 crianças, foram vítimas de execuções selvagens na região do Kasai, centro da República Democrática do Congo. É o que denuncia um relatório das Nações Unidas, sobre o período entre março e junho.

O documento, segundo a Agência France Presse, foi elaborado por um grupo de investigadores do Alto Comissariado para os Direitos do Homem da Organização das Nações Unidas (ONU) e analisa os massacres étnicos na região de Kasai.

Entre as 62 crianças executadas, por agentes do Estado, milícias ou rebeldes, 30 tinham menos de oito anos de idade.

O país, que é mais do que quatro vezes maior do que a França, é rico em recursos naturais. Os vários grupos armados disputam a exploração de riquezas minerais.

Pelo menos seis milhões de pessoas morreram guerra e centenas de milhares de pessoas tiveram de fugir para países vizinhos.

A remota região de Kasai tem sido palco de violência desde meados de agosto do ano passado, quando as forças do governo mataram Kamwina Nsapu, um chefe tribal e líder de milícias opositoras.