Um balão militar causou o pânico em Maryland, nos EUA, depois de se soltar e arrastar um cabo elétrico de três quilómetros. O incidente deixou milhares de pessoas sem eletricidade na região, esta quarta-feira.

De acordo com o Comando de Defesa Aeroespacial norte-americano, apesar de não ter havido registo de feridos, o balão conseguiu deslocar-se da estação onde estava instalado, no noroeste de Baltimore, até Montour County, na Pensilvânia. O susto fez com que uma equipa militar armada fosse destacada para recuperar o objeto voador.

Segundo a AFP, a cauda da nave sofreu danos e o balão acabou mesmo por cair a pique. No momento não se sabia se o incidente teria causado danos ou feridos. As autoridades pediram para a população manter-se afastada do local.

Assim que a nave passou pela cidade de Bloomsburg, a polícia começou a receber queixas sobre quebras na corrente elétrica. O balão atingiu alguns postes de eletricidade, arrastando um dos cabos e acabando por causar sucessivos apagões.

Mas o balão, que serviria para controlar a presença de inimigos no espaço aéreo dos EUA e intercetar mísseis, tem merecido atenção por outras razões.

O incidente causou reação por parte de Edward Snowden, que afirmou que o balão serviria para vigiar a população. O antigo colaborador da NSA, que divulgou documentos sobre o programa de espionagem norte-americano, deixou um comentário no Twitter sobre a situação.
 

“Segunda confirmação aparente de que a vigilância das massas leva a voos não autorizados”.

 

As deslocações deste equipamento, que já tinha feito inúmeros voos no passado, já tinham gerado controvérsia antes do incidente. De acordo com a AFP, alguns grupos de ativistas já tinham levantado a hipótese de esta nave militar servir para vigiar a população.

Contudo, o Pentágono já veio a público negar estas afirmações, afirmando que não existem câmaras dentro do balão.