A extrema-direita francesa ganhou popularidade depois dos atentados de 13 de novembro em Paris. Uma sondagem realizada logo após os ataques coloca Marion Maréchal Le Pen, sobrinha de Marine Le Pen, bem encaminhada para vencer as eleições regionais em Provence-Alpes-Cote-d'Azur.
 
Marion Maréchal Le Pen, que é também neta de Jean-Marie Le Pen, fundador da Frente Nacional, obtém 37% das intenções de voto logo na primeira volta. Um ganho de três pontos percentuais em apenas uma semana, de acordo com o jornal Les Echos.
 
Numa segunda volta a neta de Le Pen conseguiria 41% dos votos, se as eleições fossem agora, e teria boas hipóteses de uma coligação pós eleitoral com o segundo candidato mais votado.
 
Logo atrás, vem o ex-ministro e atual autarca de Nice, Christian Estrosi, líder da coligação de centro-direita, que obteria 30% na primeira volta e 34% na segunda, de acordo com a sondagem. O sistema eleitoral francês obriga a uma segunda volta sempre que o candidato mais votado não obtenha pelo menos 50% dos votos.
 
Christophe Castaner, o candidato do Partido Socialista, de François Hollande, alcançaria apenas 16% dos votos na primeira volta e 25% na segunda, de acordo com a sondagem.
 
Os analistas políticos explicam a popularidade de Marion Le Pen, de 25 anos, com o seu discurso anti-imigração e anti-islâmico, que colhe apoio sobretudo em áreas urbanas como Nice, “um ponto de trânsito importante para os refugiados entrarem em França pela rota italiana”, como lembra Jean-Yves Camus, citado pela France24.