Jean Marie le Pen foi esta segunda-feira suspenso das suas funções de presidente honorário da Frente Nacional, o partido de extrema-direita que fundou há décadas e que é liderado atualmente pela filha, Marine le Pen, noticia a AFP.
 
O comité executivo decidiu a suspensão do pai Le Pen, após lhe ter sido colocado um processo disciplinar na sequência de umas declarações “infelizes” e racistas a propósito da Segunda Grande Guerra.

O mau-estar dura há cerca de um mês, obrigando Marine le Pen a emitir um comunicado crítico do pai e retirando-lhe o apoio político para as próximas eleições regionais, depois das declarações do patriarca Le Pen sobre o nazismo. 

O líder histórico da extrema-direita francesa classificou hoje como um “ato criminoso” a sua suspensão da Frente Nacional.

“É um ato criminoso. Manifesto o desejo de que Marine Le Pen me devolva o meu nome”, disse Jean Marie Le Pen, de 86 anos.

O cofundador da Frente Nacional disse também estar disposto a utilizar “todos os meios” para contrariar uma decisão que “indigna” os apoiantes do partido.