O governo espanhol pediu, nesta quarta-feira, à Generalitat para confirmar se declarou formalmente a independência, ou seja, Mariano Rajoy ativou o mecanismo que pode suspender a independência da Catalunha.

É a resposta de Madrid à declaração de ontem de Carles Puigdemont, que declarou e suspendeu a independência da Catalunha, naquela que foi vista como uma oportunidade perdida para muitos catalães, como testemunhou a TVI.

Mariano Rajoy enviou um "requerimento" à Generalitat, pedido que o próprio chefe do executivo espanhol explicou ser o passo que antecede a ativação do artigo 155 da Constituição, que suspende a independência da Catalunha.

Este requerimento é prévio a qualquer medida que o Governo possa adotar ao abrigo do artigo 155 da Constituição", explicou.

A decisão foi comunicada após um Conselho de Ministros extraordinário, nesta manhã.

"Se Puigdemont respeitar a legalidade por-se-á fim a um período de ilegalidade e incerteza. É o que todos esperam para pôr fim à situação que se vive na Catalunha. É preciso que volte a calma. Continuarei a agir com prudência e tranquilidade", concluiu o primeiro-ministro.

Rajoy quer ver esclarecida "a confusão gerada" pelas declarações de Puigdemont, que depois de assumir "o mandato para que a Catalunha se converta num Estado independente" anunciou que, nas próximas semanas, iria iniciar o "diálogo para chegar a uma solução acordada". 

Também na terça-feira, depois de Puigdemont ter anunciado a independência, Mariano Rajoy reuniu-se com o secretário-geral do PSOE Pedro Sánchez e já nesta manhã conversou por telefone com o presidente do Ciudadanos, Albert Rivera.

Pedro Sánchez anunciou, entretanto, ter acordado com o Governo uma reforma constitucional dentro de seis meses. O líder do PSOE disse, igualmente, que "é evidente que o artigo 155 foi ativado".

"Durante as conversações que temos mantido com o presidente do Governo, pude transmitir-lhe a interpretação que o PSOE tem do artigo 155. Espero que a tenha em conta, acredito que sim", afirmou, ainda, lembrando Puigdemont que "se quer uma mediação que venha ao Parlamento".

O PSOE, disse, apoiará Rajoy na sua "resposta constitucional" perante o desafio lançado pelos independentistas catalães.