Uma nova sondagem realizada pelo Centro de Investigações Sociológicas (CIS) concluiu que se as eleições em Espanha fossem hoje o Partido Popular (PP) de Mariano Rajoy voltaria a vencer, mas os socialistas do PSOE deixariam de ser a segunda força mais votada.

Segundo o El País, a sondagem, iniciada 13 dias após as eleições que deram a vitória ao PP, atribui 28,8% dos votos ao PP, mais 0,1 que a 20 de dezembro, 21,9% ao Podemos, mais 1,3 pontos percentuais, 20,5% ao PSOE, em vez dos 22,2% conseguidos, e 13,3% ao Ciudadanos, em vez dos 13,9% conquistados em dezembro.

Realizada entre os dias 2 e 11 de janeiro, a sondagem ainda não espelha a opinião dos eleitores sobre as negociações que decorrem entre os partidos, a nomeação do rei de Espanha de Mariano Rajoy para formar Governo, rejeitada pelo líder do PP, nem tão pouco a de Pedro Sánchez para o mesmo cargo.

O Rei Felipe VI propôs, na terça-feira, Sánchez como candidato a primeiro-ministro. Uma decisão que surge depois de Mariano Rajoy ter perdido os apoios que esperava conseguir antes da segunda ronda de contactos terminar.  

O monarca espanhol esteve com Sánchez e Rajoy. Primeiro com o líder do PSOE, que lhe transmitiu que os socialistas estavam dispostos a formar governo caso o presidente do executivo em funções renunciasse a essa "obrigação". E depois com Rajoy, que 11 dias depois do encontro anterior, não conseguiu garantir os apoios necessários para a formação de um Executivo de iniciativa do PP, com o apoio do PSOE e Ciudadanos.