Mariam Ibrahim, a sudanesa condenada à morte por ser casada com um cristão, falou pela primeira vez sobre o calvário que sofreu durante os meses que esteve presa. Em entrevista telefónica à CNN, a sudanesa revelou ainda como se sentiu por ter que ter a filha na prisão.

«Só pensava na minha filha e em como ia dar à luz. Estava muito assustada por o parto ser na prisão», revela Mariam, acrescentando que durante o parto esteve «acorrentada. Sem correntes, mas com algemas».

«Não podia abrir as pernas o suficiente porque a parteira teve que me levantar da mesa. Ainda não sei se no futuro a minha filha [Maya] precisará de ajuda para andar», acrescentou.

A sudanesa e o marido foram libertados na passada quinta-feira depois de terem passados dois dias presos por, supostamente, terem tentado sair do Sudão com papéis falsos.

«Estou num lugar seguro. É seguro, mas não é agradável», afirmou Mariam que se encontra na Embaixada dos EUA desde que foi libertada.