A ex-piloto de F1 espanhola Maria De Villota foi, esta sexta-feira, encontrada morta no quarto de hotel em Sevilha onde estava alojada, segundo fontes policiais.

Fontes médicas explicaram que os dados iniciais apontam para que a morte tenha ocorrido devido a causas naturais, ainda que agentes da Policia Científica e do Grupo de Homicídios fossem destacados para o local.

De Villota, 33 anos, estava em Sevilha, onde esta sexta-feira deveria participar num evento no centro de Congressos da cidade, dias antes da apresentação de um livro sobre a sua vida.

Filha do ex-piloto de F1 Emilio De Villota, em julho de 2012, sofreu um grave acidente durante testes realizados pela equipa Marussia, perdendo o olho direito.

Fontes do serviço de emergência explicaram ter recebido o alerta para assistir a um jovem às 07:23 (06:23 em Lisboa). A equipa médica que chegou ao local não conseguiu reanimar a desportista, estando o caso a ser investigado pela polícia científica.

Esta sexta-feira, De Villota deveria intervir no congresso «O que de verdade importa», iniciativa dirigida a jovens universitários, onde os participantes contam experiência de vida de grande impacto.

Para a próxima segunda-feira estava previsto que apresentasse o livro «A vida é um presente».