Milhares de pessoas responderam no sábado a um apelo do Partido Haitiano Tet Kale (PHTK) e saíram às ruas para pedir a demissão do Presidente interino do Haiti, Jocelerme Privert, por não ter ainda convocado eleições.

Os milhares de manifestantes incendiaram pneus para bloquear ruas na capital do país, Port-au-Prince, segundo noticia a agência de notícias EFE.

O PHTK considera que não está a ser respeitado o acordo político assinado no início de fevereiro pelo ex-Presidente Michel Martelly e pelo parlamento, que previa a celebração da segunda volta das eleições presidenciais a 24 de abril e a entrega do poder ao novo chefe de Estado eleito em maio.

Conselho de Segurança da ONU expressa "profundo desapontamento"

O Conselho de Segurança das Nações Unidas expressou no sábado o seu "profundo desapontamento" com o impasse eleitoral no Haiti e o adiamento indefinido da segunda volta das presidenciais.

Num comunicado, os membros do Conselho de Segurança da ONU "expressam o seu profundo desapontamento por os atores haitianos terem falhado os prazos para a eleição e tomada de posse que tinham sido acordados".

A primeira volta das eleições foi em outubro e a segunda volta deveria ter-se realizado a 24 de abril, segundo o que ficou estabelecido num acordo assinado pelo anterior Presidente e o parlamento.