O último dirigente da antiga União Soviética, Mikhail Gorbachov, elogiou hoje a figura de Nelson Mandela, que «conhecia muito bem» e afirmou que o antigo líder sul-africano lhe disse que a «perestroika» na URSS ajudou muito a luta contra o apartheid.

«Era um homem extraordinário, inteligente e um estadista de talento. Disse-me muitas vezes que a perestroika na União Soviética fez muito para ajudar o seu país a livrar-se do apartheid», disse Gorbachov, em declarações à agência Interfax.

O ex-líder soviético, ideológo das reformas que terminaram em 1991 com o desmantelamento da União Soviética, recordou que Mandela «teve uma vida muito dura», e que a terceira fase da sua existência «foi vivida em condições muito dura», cita a Lusa.

Mandela «fez muito pela Humanidade e será recordado não só pelas pessoas do seu país, mas também por todos os povos do mundo», acrescentou Gorbachov.

A morte de Nelson Mandela, na quinta-feira, aos 95 anos, foi anunciada pelo Presidente da República da África do Sul, numa comunicação televisiva.

Líder da luta contra o apartheid, Nelson Mandela foi o primeiro Presidente negro da África do Sul, entre 1994 e 1999.