A Rússia vetou, na quarta-feira, uma resolução do Conselho de Segurança da ONU para a criação de um tribunal internacional que investigasse a queda do Boeing da Malaysia Airlines no leste da Ucrânia, com quase 300 passageiros a bordo.

Onze dos 15 membros do Conselho de Segurança votaram a favor da resolução, que foi apresentada pela Austrália, Bélgica, Malásia, Holanda e Ucrânia. Angola, China e Venezuela abstiveram-se.

A resolução foi apoiada pelo Reino Unido, França e Estados Unidos, que acusaram os separatistas pró-russos de abaterem o Boeing 777 com um míssil fornecido pela Rússia.

O avião da Malaysia Airlines despenhou-se a 17 de julho do ano passado na Ucrânia, junto à fronteira com a Rússia, com 280 passageiros e 15 tripulantes a bordo. Não houve sobreviventes.

O voo MH17 tinha partido de Amesterdão em direção a Kuala Lumpur.

Foi a segunda tragédia com um avião da Maysia Airlines em 2014. A 8 de março de 2014, o voo MH370, que ligava Pequim a Kuala Lumpur desapareceu sobre o Índico com 239 pessoas a bordo e continua a ser o maior mistério da aviação.