O Presidente da Emirates Airlines,  Tim Clark, afirmou , em entrevista ao «Der Spiegel», que o voo MH370 da Malaysia Airlines  estava sob controlo até ao fim da viagem e que não deve estar no oceano Índico, ao contrário do que defendem os investigadores. 

«O MH370 estava, na minha opinião, sob controlo provavelmente até ao último momento», afirmou.

Segundo as autoridades responsáveis pela investigação, o aparelho estava em piloto automático até ter ficado sem combustível e ter caído no oceano Índico. Mas o líder da Emirates não é da mesma opinião e explicou porquê.

«A nossa experiência diz-nos que, no que se refere a acidentes no mar, que onde o aparelho cai há sempre qualquer vestígio. Ainda não vimos uma única coisa que sugerisse categoricamente que o aparelho está onde dizem que está, tirando a análise dos satélites, que eu questiono», justificou.

O avião que desapareceu misteriosamente foi um Boeing 777 e a Emirates tem 127 aparelhos deste modelo, mais do que qualquer outra companhia aérea.  Tim Clark suspeita que ninguém sabe exatamente onde é que o avião foi parar.

«Não houve um único acidente no mar na história da aviação civil – tirando o caso da Amelia Earhart em 1939 – que não tivesse sido localizado, pelo menos 5 a 10% dos destroços. Mas o MH370 simplesmente desapareceu. Para mim, isso cria um elevado grau de suspeição», afirmou.

Para Clark, é necessário mais transparência por parte dos investigadores e das autoridades responsáveis.  «Estou totalmente insatisfeito com o que que tem sido informado sobre o incidente. Há muita informação que precisamos que seja mais transparente e honesta», referiu.

O líder da companhia aérea dos Emirados Árabes Unidos teme que o incidente seja esquecido sem que se saibam as razões do desaparecimento do aparelho. Por isso, Clark deixou um apelo:  «Não podemos deixar que isso aconteça. Temos de saber o que levou ao desaparecimento do avião».

No início desta semana, o departamento de Segurança dos Transportes da Austrália revelou que o último relatório oficial sugere que o voo da Malaysia Airlines tenha caído no Índico depois de ter ficado sem combustível.

O voo MH370 descolou de Kuala Lumpur na madrugada de 8 de março com 239 pessoas a bordo e tinha previsto chegar a Pequim seis horas mais tarde, mas desapareceu subitamente dos radares cerca de 40 minutos depois de partir.