As autoridades da província de Peshawar proibiram o lançamento do livro da ativista paquistanesa Malala Yousafzai, previsto para esta terça-feira numa universidade daquela cidade, segundo organizadores e funcionários citados por agências internacionais.

Malala foi alvo em 2012 de uma tentativa de assassínio dos talibãs por defender o direito das mulheres à educação. A jovem, então com 15 anos, sobreviveu ao ataque e tornou-se uma ativista internacional pelo direito de todas as crianças a frequentar a escola.

Mas, hoje, a cerimónia de lançamento do seu livro «I am Malala» («Eu sou Malala») na Universidade de Peshawar foi cancelada depois de pressões das autoridades que levaram a polícia a recusar garantir a segurança, segundo organizadores.

Não estava prevista a presença de Malala na cerimónia.