O antigo Presidente do Sri Lanka, Mahinda Rajapakse, derrotado nas presidenciais de quinta-feira (08 de janeiro), refutou hoje as alegações do novo governo, que o acusa de ter planeado um golpe de Estado para permanecer no poder.

«Desminto de forma categórica as alegações sobre tentativas de utilizar o exército para influenciar os resultados eleitorais», afirmou Rajapakse no Twitter, sublinhando ter aceitado o veredito das urnas antes da proclamação dos resultados.

Candidato a um terceiro mandato, Mahinda Rajapakse, de 69 anos, disse «aceitar a vontade do povo» na manhã de sexta-feira, prometendo garantir uma transição serena para a presidência do seu adversário, Maithripala Sirisena.

O gesto foi saudado pelo secretário de Estado norte-americano, John Kerry, e pelo próprio Sirisena.

Mas segundo a nova maioria, ele tentou garantir o apoio dos militares e da polícia, para a suspensão do processo democrático.