O chefe da máfia calabresa «Ndrangheta» foi golpeado e dado a comer vivo aos porcos, por um grupo rival, em retaliação pelo assassinato de outro chefe.

Francesco Raccosta desapareceu em Março de 2012, 11 dias depois de um outro chefe, Domenico Bonarrigo, ser morto com três tiros enquanto conduzia.

A polícia deteve um dos homens envolvidos depois de o ouvirem, alegadamente, a gabar-se do sucedido numa conversa telefónica.

«Foi tão satisfatório ouvi-lo gritar, "mamma mia" como ele gritava. Não sobrou um único pedaço, as pessoas dizem que eles costumam deixar restos, mas no final não vi nada, aqueles porcos comiam bem», disse «Pepe» durante o telefonefa, segundo a polícia.

O assassinato de Raccosta mostra «a frieza e a crueldade» que as fações da máfia são capazes, disse fonte da polícia, segundo a «Sky News».

Ambos os crimes dão seguimento a uma guerra entre as famílias Bonarrigo-Mazzagatti-Polimeni e a Ferraro-Racosta que dura há cerca de 60 anos. Uma disputa sobre o controlo de um território perto da localidade de Oppido Mamertino.

As duas fações fazem parte de cerca de 100 grupos que preenchem a máfia calabresa «Ndrangheta».