A família de Maëlys falou pela primeira vez desde o desaparecimento da filha. A menina lusodescendente de nove anos desapareceu há duas semanas de uma festa de casamento, onde estavam mais de 200 pessoas, em Pont-de-Beau-Voisin.

Depois de anunciar que se vão constituir assistentes do processo civil, os pais emitiram um comunicado através do advogado, Fabien Rajon, onde apelam para que seja "respeitado o segredo de investigação neste caso".

"A família de Maëlys apela ao respeito do segredo de investigação neste caso e pretende proteger rigorosamente a privacidade e privacidade de sua casa. Dada a importância crucial das investigações em curso, que não devem ser prejudicadas, os pais de Maëly não farão comentários à imprensa. No entanto, pretendem esclarecer, em resposta a informações recentemente divulgadas, que não há nenhum vínculo próximo ou distante entre o pai de Maëlys e o atual criminoso acusado neste caso. Os pais de Maëlys agradecem às pessoas que se ofereceram para procurar a sua menina e a todos aqueles que os apoiam nesta momento difícil e pedem a qualquer pessoa que possa ter informações úteis para comunicar com as autoridades sem demora", pode ler-se no comunicado divulgado na imprensa francesa.

A primeira pessoa detida, na passada quinta-feira, foi um convidado do casamento onde a menina estava. O homem acabou por sair em liberdade. A segunda detenção ocorreu um dia depois, na última sexta-feira, e tinha como objetivo investigar as declarações feitas pelo primeiro suspeito, já que apresentavam contradições.

Este segundo indivíduo também foi libertado, no sábado, mas foi detido novamente no domingo. A prisão preventiva foi decretada já esta segunda-feira. O Ministério Público sustenta-se nos “resultados” obtidos nas provas encontradas pela polícia científica em alguns pertences do suspeito que tinham sido examinados.

Segundo as autoridades, terá sido encontrada uma pequena amostra de ADN da menina no interior da viatura do suspeito. Em declarações à BFMTV, o irmão de Nordhal afirma que não acredita que este seja culpado uma vez que seria incapaz de fazer uma coisa destas. 

Esta terça-feira, a polícia efetuou buscas na casa dos pais do principal suspeito, Nordhal Lelandais. A casa onde o homem de 34 anos vive com os seus pais, em Domessin (Alpes franceses), foi alvo de uma busca com a presença de especialistas, entre o final da manhã e o final da tarde.

“O objetivo desta operação foi recolher provas” cujos resultados sairão nos próximos dias, disseram os especialistas no final da operação.

Domessin situa-se a poucos quilómetros de Pont-de-Beauvoisin, onde a rapariga de nove anos desapareceu durante a noite de 26 para 27 de agosto, quando estava numa festa de casamento com os pais. Os cães da polícia cheiraram o odor de Maëlys até um parque de estacionamento e aí perderam-lhe o rasto. A menina continua desaparecida.