Um cidadão da Nigéria morreu, no último sábado, no aeroporto de Barajas, em Madrid, Espanha, devido à ingestão de bolas de cocaína. Os sintomas que a vítima apresentava levaram a ativar o protocolo por ébola e fizeram com que se aguardasse a chegada de uma equipa especializada dos serviços de emergência para avaliar o estado do doente e transferi-lo para um hospital, o que não chegou a acontecer.

As autoridades aeroportuárias confirmaram, esta sexta-feira, à agência EFE, que o cidadão nigeriano desembarcou por volta das 17:00 de sábado em Barajas (16:00 em Lisboa), vindo de Istambul, na Turquia, e começou a sofrer tremores e convulsões, até que caiu na zona alfandegária do Terminal 1 do aeroporto.

Os funcionários do aeroporto acorreram ao local, onde os agentes da Guardia Civil já tinham assistido e reclinado o passageiro e, por causa dos sintomas que apresentava, decidiram alertar as autoridades sanitárias perante a possibilidade de se tratar de um caso de ébola.

Uma vez ativado o protocolo, há que manter o paciente isolado e esperar pela chegada das equipas de saúde especializadas. As autoridades aeroportuárias não conseguiram precisar à EFE quanto tempo demoraram exatamente os médicos a chegar ao terminal, embora confirmem que o passageiro permaneceu todo o tempo no local onde caiu.

Quando a equipa médica chegou ao local, e se descartou a possibilidade de ébola, decidiu-se transferir a vítima para um hospital, mas isso não aconteceu a tempo e o homem morreu no aeroporto por volta das 19:00 (18:00 em Portugal).

Posteriormente, foi determinado que se tratou de uma caso de tráfico de droga. Fontes do aeroporto revelaram que o homem, um correio de droga, morreu porque tinha ingerido bolotas de cocaína e pelo menos uma delas se rompeu dentro do corpo.