A Procuradoria-geral da República (PGR) do Brasil pediu ao Supremo Tribunal Federal (STF) para investigar se a Presidente Dilma Rousseff tentou obstruir a Justiça ao nomear o ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva ministro da Casa Civil.

Este pedido foi divulgado pelos jornais Folha de S. Paulo e O Estado de S. Paulo, que revelam que estava em sigilo no sistema do Supremo Tribunal Federal.

Segundo os jornais brasileiros, o pedido tem como alvo Dilma Rousseff, Lula da Silva e o Advogado Geral da União, José Eduardo Cardozo, que defende o Governo.

Segundo a agência Efe, o Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, pediu ainda que sejam investigados os ministros da Secretaria da Presidência, Ricardo Berzoni, da Informação, Edinho Silva e o chefe de gabinete da Presidência, Jaques Wagner.

Lula, que foi nomeado ministro de Dilma Rousseff, mas não pode assumir o cargo por ordem judicial, já estava a ser alvo de duas investigações por alegada corrupção e branqueamento de capitais em dois tribunais comuns, mas a Procuradoria dirigiu agora um pedido ao Supremo Tribunal.

No Brasil, vive-se um clima de tensão social e política. E quer Lula da Silva quer Dilma Rousseff têm estado debaixo de fogo e do escrutínio da opinião pública. 

A justiça brasileira divulgou escutas  telefónicas que revelaram uma conversa entre Lula da Silva e Dilma Rousseff, na qual a presidente do Brasil anuncia a Lula que lhe vai enviar um “termo de posse” para ser usado em “caso de necessidade”. Dilma foi acusada pelos analistas e pela opinião pública de obstruir a justiça e tentar evitar uma eventual detenção do amigo e colega de partido, investigado por corrupção. 

Depressa o país dividiu-se entre os que apoiam o governo de Dilma e os que pedem a sua demissão, com protestos por todo o país.

A posição de Dilma, de resto, parece cada vez mais frágil, depois de o processo para a sua destituição ter sido aprovado pela Câmara de Deputados.