A revolução portuguesa de 25 de abril de 1974 «foi uma conquista da humanidade», defendeu esta quarta-feira, em Salamanca, Espanha, o antigo presidente brasileiro, Lula da Silva.

«O cheiro da Revolução dos Cravos tomou conta da América Latina e de muitos países africanos, eu por isso tenho o prazer de ter vivido no século em que houve muitas ditaduras, mas também houve muita lutas pela independência e pela liberdade», disse à Lusa o antigo chefe de Estado do Brasil, salientando que a reconquista da democracia portuguesa depois de 40 anos de ditadura «foi uma conquista da humanidade».

Lula da Silva adiantou que a Revolução dos Cravos «chegou mais depressa ao Brasil que as caravelas de Pedro Álvares Cabral», recordando que enquanto operário metalúrgico estava, na época, a dar os primeiros passos no movimento sindical e que o Oceano Atlântico foi muito estreito para conter o fulgor da revolução portuguesa.

Lula da Silva, que hoje recebeu um doutoramento "honoris causa" da universidade de Salamanca, vai participar na sexta-feira numa conferência no Museu do Oriente, em Lisboa, sobre «O 25 de abril visto de fora».

O ex-presidente brasileiro chega hoje a Lisboa, tendo em agenda para quinta-feira reuniões com o primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, e com o presidente da República, Aníbal Cavaco Silva.