Morreu Loukanikos (Salsicha, em grego), o icónico cão dos protestos contra a toika na Grécia. De acordo com os meios de comunicação gregos, Loukanikos tinha-se «reformado» dos protestos em 2012. Morreu agora, «pacificamente».

Loukanikos tornou-se mundialmente conhecido, depois de aparecer na linha da frente nos protestos contra a austeridade, em frente ao Parlamento da Grécia. Foi amplamente divulgada nas redes sociais e na comunicação social do mundo inteiro uma fotografia de Loukanikos a enfrentar um batalhão da polícia de choque.

No seu blogue pessoal, o jornalista grego Damian Mac Con Uladh escreve que a saúde de Loukanikos sofreu com os anos de protestos. O jornalista cita o «Avgi», um jornal diário conotado com o Syriza, para informar que «a saúde do cão foi severamente afetada pelo gás lacrimogéneo e por ter sido pontapeado pela polícia, o que obrigou à sua “reforma” dos protestos há cerca de dois anos». 



De acordo com o seu tratador, Loukanikos «estava na sua almofada a dormir, quando o seu coração parou de bater repentinamente».


Depois de ser obrigado a deixar os protestos, numa altura em que estes também abrandaram, Loukanikos foi acolhido por uma família de Atenas, que lhe proporcionou todos os cuidados necessários. 

Leia também:

Animais em manifestações são um sucesso na Internet
Depois do cão revolucionário grego, o pato chileno


As reações à morte do «cão revolucionário» não se fizeram esperar nas redes sociais e foram muitas as pessoas a lamentar a morte do companheiro de luta dos gregos.