As 888 245 papoilas de cerâmica, dispostas na Torre de Londres, serão removidas a 12 de novembro, como planeado. O anúncio foi feito pela Historic Royal Palaces, nesta quinta-feira, apesar dos apelos políticos para se prolongar o prazo da instalação.
 
Boris Johnson, o mayor de Londres, afirmou que queria saber se seria possível manter a instalação de papoilas durante mais tempo do que o originalmente planificado.
 

«O campo de papoilas na Torre é um local único e comovente na lembrança deste centenário. A sua popularidade cresceu rapidamente, estendendo-se a uma atração mundial. Estou disposto a explorar se conseguimos manter a exposição durante mais tempo, para dar ao máximo número de pessoas a possibilidade de vislumbrarem algo tão incrível» Boris Johnson

 
«Está a criar algo muito profundo nas pessoas, que se querem ligar à nossa história. Querem traçar a história das suas famílias até este grande ato de autossacrifício nacional. Estas papoilas cerâmicas simbolizam isso», afirmou Nick Clegg, que se juntou à reivindicação de Johnson, num telefonema à LBC.
 
Um porta-voz disse que o mayor estava em negociações com a agência que gere a Torre de Londres, Historic Royal Palaces, sobre a extensão da exposição por mais uma semana. Mas a agência disse que sempre foi sua intenção começar a enviar as papoilas, vendidas para caridade, aos seus novos donos depois do Dia do Armistício.
 
«Estabeleceu-se que as papoilas ficariam até dia 11 de novembro e depois disso seriam limpas e enviadas às pessoas que as compraram», afirmou um porta-voz da agência à BBC.
 
Steven Robbins lançou uma petição oficial para tentar convencer o governo a manter a instalação por mais 12 meses. Segundo o Huffington Post, se a petição atingir 100 mil assinaturas será elegível para ser debatida na Câmara dos Comuns.
 
No Parlamento, o primeiro-ministro David Cameron, disse que o número de pessoas que foram ver a instalação de papoilas era «verdadeiramente extraordinário» e algo de que o «país se pode orgulhar».
 
Estima-se que mais de quatro milhões de pessoas tenham visitado a instalação, onde encontraram 888 245 papoilas de cerâmica, uma por cada britânico que morreu durante a Primeira Guerra Mundial.
 
Um rio de sangue
A instalação «Blood Swept Lands and Seas of Red», ao redor da Torre de Londres, assinala o centenário do envolvimento britânico na I Guerra Mundial e é uma homenagem aos soldados que perderam a vida. Foi inaugurada a 4 de agosto e a 888.246ª papoila será plantada a 11 de novembro, dia em que terminou o conflito.
 
O artista plástico Paul Cummins e o designer Tom Piper são os seus criadores. O título da obra, que traduzido à letra significa Campos Ensanguentados e Mares de Vermelho, inspira-se num poema, «In The Flanders Fields», da autoria de um soldado, John McCrae.
 
Muitos voluntários participaram na homenagem, incluindo os príncipes Harry e Kate. Também a rainha Isabel II e o príncipe Philip visitaram a instalação.
 
É possível comprar uma destas papoilas comemorativas por 31 euros (25 libras) e o valor reverterá para instituições de caridade. A Royal British Legion disse que espera que a venda das papoilas ultrapasse os 12 milhões de euros (15 milhões de libras).