As obras inacabadas do escritor inglês Terry Pratchett foram destruídas por um rolo compressor, cumprindo os desejos do romancista, que morreu em março de 2015.

De acordo com o jornal britânico The Guardian, o disco rígido de Terry Pratchett foi esmagado por um rolo compressor ‘vintage’, da marca John Fowler & Co, durante a Great Dorset Steam Fair, uma feira dedicada a máquinas e veículos movidos a vapor, antes da abertura de uma nova exposição sobre a vida e o trabalho do autor.

Terry Pratchett, famoso pela série satírica de livros de fantasia “Discworld”, morreu aos 66 anos.

Após a sua morte, o amigo e também escritor Neil Gaiman disse ao The Times que Pratchett queria que “as obras em que estivesse a trabalhar no momento da morte fossem retiradas juntamente com os seus computadores, colocadas no meio de uma estrada e que um rolo compressor passasse por cima de tudo”.

Na sexta-feira, Rob Wilkins, que administra o património de Pratchett, mostrou na conta de Twitter uma foto do disco rígido de computador intacto e escreveu a frase: "Prestes a cumprir minha obrigação para Terry".

Pouco depois partilhou um novo ‘tweet’ que mostrava o disco rígido destruído, com a legenda “lá se vai o histórico de navegação”.

Já esta quarta-feira, uma nova publicação na conta de Twitter de Terry Pratchett dizia "um desgraçado rolo compressor, dez romances inéditos e olhem no problema em que me meti".

O disco rígido destruído será exibido como parte de uma grande exposição sobre a vida e o trabalho do autor, intitulada “Terry Pratchett: His World”, que vai estar patente no museu de Salisbury de 16 de setembro a 13 de janeiro.

Terry Pratchett continuou a escrever e a publicar, cada vez mais com ajuda, até à sua morte.

Foram publicados postumamente dois romances: “The Long Utopia” (uma colaboração com Stephen Baxter) e “The Shepherd's Crown”, o romance final de “Discworld”.