Depois de ter passado um mês na Austrália ao serviço do exército, o príncipe Harry de Inglaterra viajou até à Nova Zelândia. E foi lá que o filho mais novo do príncipe Carlos teve uma aula de Maori Haka, a dança tradicional daquele país.

Foi na base militar Linton Military Camp que o neto da rainha Isabel II aprendeu os movimentos e a letra que compõem este ritual. Antes de mostrar-se ao público, Harry esteve durante 20 minutos a aprender o Maori Haka.

Durante a atuação, o irmão do príncipe William mostrou estar bastante concentrado enquanto acompanhava a coreografia dos restantes militares. 

No final, o Príncipe recebeu os aplausos e os cumprimentos de quem assistiu ao ritual.

“Tendo em conta o pouco tempo que tive para lhe ensinar, sei que não foi fácil aprender os movimentos e as palavras, por isso penso que ele esteve muito bem. Ele ficou um pouco frustrado em alguns momentos, mas é normal isso acontecer quando temos apenas 20 minutos para treinar”, explicou o subtenente Brett Pene, que teve a responsabilidade de mostrar os passos ao filho mais novo do príncipe Carlos.

Existem vários Hakas Moari tradicionais, mas o Príncipe Harry dançou o Haka do exército da Nova Zelândia, o Ngati Tumatauenga (ou Tribo de Guerra), que homenageia os camaradas mortos e as dificuldades passadas.


No inicio deste quinto dia de visita à Nova Zelândia, o irmão do príncipe William passou pelo Centro de Tratamento de Dependência em Christchurch, onde conheceu o ex-presidiário Zeb King, que lhe mostrou a tatuagem do filho.

“É incrível, é incrível… você é um génio”, disse Harry ao ex-presidiário.  

Ainda na base, reuniu-se com o grupo de artes Maori, cumprimentando cada membro individualmente com um tradicional Hongi, um movimento em que se encosta o nariz ao de outra pessoa mostrando que é bem-vindo.

Durante a visita, Harry fez também uma viagem num veículo de todo-o-terreno e visitou um acampamento de crianças em idade escolar, onde participou num jogo de râguebi.

Na quinta-feira, o príncipe Harry irá visitar Whanganui, no norte do país, onde fará uma viagem pelo rio a bordo de um Waka Maori, ou seja, de uma canoa.