O líder talibã afegão, Mullah Omar, "está morto", anunciou esta quarta-feira um responsável dos Serviços Secretos do Afeganistão, em Cabul, citado pela agência de notícias francesa AFP. O porta-voz do organismo, Hasib Sediqi, confirmou que o líder talibã morreu há dois anos, num hospital do Paquistão.

O governo do Afeganistão diz que a "informação sobre a morte do talibã é credível". Isto depois de ter anunciado que estava a investigar as informações que surgiram ao início do dia na imprensa internacional. 

Ao início do dia, uma fonte governamental, citada pela BBC, informou que Omar teria morrido há dois ou três anos, sem adiantar mais pormenores.

Mullah Omar, líder supremo dos talibãs afegãos, estava em fuga desde o fim de 2001. Era um aliado de Osama bin Laden na guerra contra os Estados Unidos, no rescaldo dos ataques do 11 de Setembro. 
.
Ao longo dos anos, os talibãs divulgaram várias mensagens em vídeo de Mullah Omar, enquanto os Estados Unidos ofereciam uma recompensa milionária por informações sobre o seu paradeiro. No entanto, a última mensagem do líder foi emitida em forma de comunicado, o que suscitou os rumores de Omar estivesse morto.