Pelo menos 79 pessoas foram mortas e 141 outras ficaram feridas, na sequência de violentos confrontos em Benghazi, no leste da Líbia, disse hoje fonte oficial à agência AFP.

Os confrontos, ocorridos na sexta-feira e no sábado, opuseram milícias islâmicas a um grupo paramilitar leal a Khalifa Haftar, um general na reserva qualificado como um «fora da lei» pelo Governo líbio que o acusou de tentar levar a cabo um golpe de estado na cidade de Benghazi.

Khalifa Haftar, um antigo comandante dos rebeldes que derrubou o regime de Muammar Kadhafi em 2011, evocou, por sua vez, uma operação destinada a «purgar» Benghazi de «grupos terroristas», com o nome de «Dignidade», de acordo com um porta-voz da força que lidera e que se autodenomina «o exército nacional».

O ataque liderado por Khalifa Haftar é, segundo Tripoli, «um ato fora da legitimidade do Estado e um golpe de Estado», de acordo com o comunicado lido na televisão pelo presidente do parlamento, Nouri Abu Sahmein, neste sábado.