A Birmânia ordenou hoje a libertação de milhares de prisioneiros, incluindo 210 estrangeiros, na mais recente de uma série de amnistias do Governo reformista, que já anulou sentenças de centenas de dissidentes.

Sob a ordem do Presidente Thein Sein, as autoridades ordenaram a libertação de 6.966 detidos – incluindo 210 estrangeiros – em todo o país, após terem sido “bem disciplinados”, de acordo com um comunicado na página do Ministério da Informação.

Entre os libertados estão 155 chineses que tinham recebido longas penas de prisão no início do mês, por exploração madeireira ilegal junto à fronteira entre os dois países, segundo fonte não identificada do Ministério do Interior.