Um grupo de manifestantes incendiou esta noite o edifício do Ministério da Habitação da Venezuela, em Chacao, obrigando os bombeiros a intervir e a resgatar mais de 300 pessoas que se encontravam no interior do prédio.

O incêndio, que terá sido provocado na sequência de um ataque com «cocktails molotov», destruiu pelo menos um piso da estrutura do edifício, que se situa a leste de Caracas, e mobilizou uma centena de bombeiros, apoiados no combate às chamas por um total de 15 viaturas.

A tensão no país continua, numa altura em que os jornalistas vieram também a público denunciar pressões. O Sindicato Nacional de Trabalhadores da Imprensa (SNTP) diz que organismos policiais venezuelanos estão a submeter jornalistas a intensos interrogatórios como medida de pressão para que divulguem as fontes das suas notícias.

«O segredo profissional é um direito e responsabilidade do jornalista. Nenhum jornalista está obrigado a revelar a fonte informativa dos factos que tenha tido conhecimento no exercício da profissão», disse o secretário-geral daquele organismo, Marco Ruiz, revelando que pelo menos quatro jornalistas foram submetidos a interrogatórios sobre informações publicadas nos jornais onde trabalham ou nas suas contas pessoais do Twitter.